Arquivos do Blog

Isto é impossível!?!?


Veja o Vídeo e depois, indique o nível da qualidade da apresentação com um simples comentário no final na página.

LEVEL:

a) (  ) EASY

b) (  ) NORMAL

c) (  ) HARD

d) (  ) EXTREMELY HARD

e) (  ) LEGEND

f) (  ) CHUCK NORRIS

Outros ._______________________________________________.



Anúncios

CYRK–Trio Quintina


CyrkCirco, em polonês, a apresentação envolve música e performances circenses.

O Trio Quintina apresenta composições inéditas feitas especialmente para este espetáculo, além de releituras de canções inspiradas no universo circense como “Piruetas” e “História de Uma Gata”, de Chico Buarque.

E esse lindo espetáculo estará sendo reapresentando nos dias 4 e 5 de abril às 21 horas, no Teatro do HSBC em Curitiba.

As apresentações fazem parte da mostra especial chamada "Na Companhia de…" organizada pela Cia Brasileira de Teatro. Na programação vocês vão encontrar somente o dia 4, mas já foram confirmadas as sessões extras no dia 5 de abril!!! Depois a trupe segue mostrando seus trabalhos em São Paulo dia 7 no ITAU Cultural!!!

Mais informações no site do Festival de Teatro de Curitiba e no site do Trio Quintina.

Os ingressos já estão à venda, você pode comprar nas bilheterias do festival ou pelo site Bilheteria Digital.

Deem uma olhada no que podem perder…

Eu já garanti meu ingresso para apresentação de Quarta (04/04). Agora é só aguardar para aprender muitas técnicas e prestigiar este lindo trabalho.

Vida no Circo. Dentro e fora do picadeiro


Há algum tempo venho acompanhando o programa Profissão Repórter, as terças-feiras na Rede Globo, que vem me chamando a atenção pelo tratamento de matérias do cotidiano das mais variadas profissões, sendo elas pelos “olhos da sociedade”, profissões dignas ou não.

O que é muito válido nas reportagens deste programa, são as matérias estritamente sem julgamento, os repórteres, tratam apenas da realidade, que das quais, milhões de brasileiros, como eu, se identificam.

palhaçosNo programa deste ultimo 01/11/11, não foi diferente, pois o assunto tratado foi a Vida no Circo, dentro e fora do picadeiro. Do mais conceituado e aclamado, ao mais simples espetáculo de circo e a vivência disputada dos artistas de rua, artistas estes, ao qual tenho imenso respeito e admiração, pois como mostrado na reportagem, aguentam os intemperes da natureza com graça e muita dedicação, para assim levantar um suado e merecido dinheiro que ajuda na remuneração e sustento de sua vida e/ou família.

circo pindorama

Minha admiração aumentou, quando me mudei para São Paulo no inicio de Agosto de 2011, e  ainda mais que tive a sorte de residir nas redondezas de onde foram feitas as gravações de rua da matéria e posso desfrutar muitas vezes desta arte, da janela do apartamento que divido com amigos que são minha família por aqui.

Por diversas vezes ficamos na janela observando os movimentosmalabarista de Rua Faz performace em cruzamento na Av. Rebouças Sp. precisos do pessoal lá em baixo, fazendo graça e levando o sorriso no rosto dos motoristas que passam  preocupados em suas rotinas mundanas, e que por alguns segundos que levam o fechar dos semáforos, tem a oportunidade de arremeter a calma e destrezas dos artista que ali se dispõem a mostrar sua arte por alguns trocados e sorrisos.

Confesso que como singelo malabarista de POI’s que sou, me vem uma vontade de juntar meu malabares e buscar um cantinho a este tão disputado espaço nos sinais de São Paulo, mas ainda não sinto-me preparado, fico apenas acompanhando os movimentos de cada artista que se apresenta lá em baixo e torcendo pela prosperidade em suas vidas.

Tenho o imenso prazer de conhecer um dos entrevistados, na reportagem, o malabarista Mae. Conheci-o a poucas semanas, para ser mais exato, no ultimo 15/10, na Mystic Tribe, na cidade de Sarapui-SP, em uma apresentação que fizemos sobre forte garoa e pisando em muita lama (risos), junto ao Grupo BIOLUMINI que vem acolhendo-me com muito carinho.

 destaque2

Para quem não pode acompanhar a matéria a qual tratei nesta edição, disponibilizo a seguir os vídeos completos para que desfrutem desta realidade que muitas vezes passa despercebida sobre a aba de nossos chapeis:

Esta matéria foi de muito fácil escrita, pois me vejo contagiado pelos ensinamentos do filme O PALHAÇO, com o espetacular ator Selton Mello, que vi no dia de ontem. Para quem ainda não teve a oportunidade de ver, fica a recomendação, o filme demonstra a realidade e dificuldades de uma trupe circense pelo interiores do Brasil, demonstradas de forma cômica e que rende boas risadas.

Sinopse:

Benjamim (Selton Mello) e Valdemar (Paulo José) formam a fabulosa dupla de palhaços Pangaré e Puro Sangue. Benjamim é um palhaço sem identidade, CPF e comprovante de residência. Ele vive pelas estradas na companhia da divertida trupe do Circo Esperança. Mas Benjamim acha que perdeu a graça e parte em uma aventura atrás de um sonho.

OPalhaco4

Circo no Beco – SP


Circo no Beco - Logo

“O Circo no Beco é um evento organizado por um grupo de pessoas interessadas na arte circense das mais diversas formas. Dispostas a trabalhar para promover a premissa fundamental da iniciativa que gerou a existência do grupo: a vontade de poder realizar espetáculos abertos a todos, promover e difundir a arte circense e seu diálogo histórico e inseparável com as outras linguagens artísticas. Fomentando a livre manifestação e a utilização dos espaços públicos, valorizando assim a Arte de Rua e a Arte na Rua.

313521_120027854769555_100002870242094_99143_2084952463_n

Esse trabalho de valorização consiste em apresentar espetáculos, com qualidade artística, utilizando técnicas circenses tais como:

  • malabares;
  • acrobacia;
  • monociclo;
  • trapézio;
  • tecido;
  • perna de pau;

entre tantas outras e também explorando outras linguagens como teatro, dança, poesia, artes plásticas, música… E sempre, como reza a tradição, passa-se o chapéu…”

321152_120027954769545_100002870242094_99149_1953550872_n

A maioria dos espetáculos são realizados na Praça Aprendiz das Letras e no Beco do Projeto Cidade Escola Aprendiz, na Vila Madalena. Rua Belmiro Braga, s/n, esquina com a Rua Inácio Pereira da Rocha. O local é de fácil acesso e a praça permite a entrada e circulação de deficientes e acontece todas as segundas-feiras, a partir das 18h e vai até as 22h (para não incomodar a vizinhança que é sempre presente nos espetáculos).

Confira algumas fotos das ações NoBECO Vila Madá.

Créditos para o fotógrafo  Lucas Augusto, responsável pelas fotos constantes nesta postagem.

Teoria do malabarismo


­Não é de surpreender que muitos malabaristas sejam matemáticos e físicos. O malabarismo não só prova alguns conceitos muito importantes da física como também inspira as pessoas a criarem teoremas complicados nos mais variados meios de comunicação cientifica do mundo.

Claude E. Shannon, um matemático brilhante, propôs um teorema de malabarismo que descreve a relação entre o tempo que os objetos permanecem nas mãos dos malabaristas e o tempo que ficam no ar. Aqui está sua equação:

(F + D)H = (V + D)N

  • F é o tempo que a bola passa no ar
  • D é o tempo que a bola passa na mão
  • H é o número de mãos
  • V é o tempo que uma mão fica vazia
  • N é o número de bolas que estão sendo usadas

A equação de Shannon exemplifica a importância da velocidade da mão de um malabarista quando faz o truque. À medida que N aumenta, o malabarista começa a perder a habilidade de modificar a velocidade de seu truque enquanto o mantém estável. Lembre-se de que H permanecerá constante, a não ser que o malabarista crie mais mãos ou outra pessoa faça parte do truque.

double juggling
Foto cedida por Jack Kalvan


Matemática e física são necessárias para manter esses malabaristas em pé

Shannon usou um Erector Set, um conjunto de construção, para montar um robô que faz malabarismo. Seu robô malabarista tinha dois braços e podia lançar até três pequenas bolas de metal em direção a uma caixa. Outros engenheiros construíram robôs que conseguem jogar objetos para cima e sem parar usando complexos algoritmos para fazer correções.  A companhia SARCOS apresenta um vídeo de um robô humanóide fazendo malabarismo usando um truque de cascata com três bolas. As mãos do robô são copos e ele lança e pega as bolas com movimentos leves e flexíveis.

O matemático Jack Kalvan propôs uma equação que descreve um truque mais adequado de acordo com o espaço, que significa que “leva em conta a mesma quantidade de erros em todos os pontos da trajetória em que as colisões são mais prováveis” [Fonte: Juggling.org – em inglês]. As equações de Kalvan são complicadas e se concentram em variáveis como o arco de cada lançamento, a descoberta da melhor distância entre os arcos feitos pelos lançamentos de cada mão e a relação entre quando a mão segura a bola e quando a mão fica vazia.

Mais vídeos interessantes que mostram máquinas de produção em linha, reprogramadas para efetuar movimentos sincronizados e malabaristicos.

%d blogueiros gostam disto: