Arquivos do Blog

Loteria da vida


“Fui jogar bingo e descobri que fazemos de nossas vidas uma eterna loteria…”

Consciência animal


O neurocientista canadense Philip Low ganhou destaque no noticiário científico depois de apresentar um projeto em parceria com o físico Stephen Hawking, de 70 anos. Low quer ajudar Hawking, que está completamente paralisado há 40 anos por causa de uma doença degenerativa, a se comunicar com a mente.

Os resultados da pesquisa foram revelados no último sábado (7) em uma conferência em Cambridge. Contudo, o principal objetivo do encontro era outro. Nele, neurocientistas de todo o mundo assinaram um manifesto afirmando que todos os mamíferos, aves e outras criaturas, incluindo polvos, têm consciência. Stephen Hawking estava presente no jantar de assinatura do manifesto como convidado de honra.

Low é pesquisador da Universidade Stanford e do MIT (Massachusetts Institute of Technology), ambos nos Estados Unidos. Ele e mais 25 pesquisadores entendem que as estruturas cerebrais que produzem a consciência em humanos também existem nos animais. “As áreas do cérebro que nos distinguem de outros animais não são as que produzem a consciência”, diz Low, que concedeu a seguinte entrevista ao site de VEJA:

 

Veja.com – Estudos sobre o comportamento animal já afirmam que vários animais possuem certo grau de consciência. O que a neurociência diz a respeito?

Philip Low – Descobrimos que as estruturas que nos distinguem de outros animais, como o córtex cerebral, não são responsáveis pela manifestação da consciência. Resumidamente, se o restante do cérebro é responsável pela consciência e essas estruturas são semelhantes entre seres humanos e outros animais, como mamíferos e pássaros, concluímos que esses animais também possuem consciência.

 

Veja.com – Quais animais têm consciência?

P. L. -Sabemos que todos os mamíferos, todos os pássaros e muitas outras criaturas, como o polvo, possuem as estruturas nervosas que produzem a consciência. Isso quer dizer que esses animais sofrem. É uma verdade inconveniente: sempre foi fácil afirmar que animais não têm consciência. Agora, temos um grupo de neurocientistas respeitados que estudam o fenômeno da consciência, o comportamento dos animais, a rede neural, a anatomia e a genética do cérebro. Não é mais possível dizer que não sabíamos.

 

Veja.com – É possível medir a similaridade entre a consciência de mamíferos e pássaros e a dos seres humanos?

P. L. – Isso foi deixado em aberto pelo manifesto. Não temos uma métrica, dada a natureza da nossa abordagem. Sabemos que há tipos diferentes de consciência. Podemos dizer, contudo, que a habilidade de sentir dor e prazer em mamíferos e seres humanos é muito semelhante.

 

Veja.com – Que tipo de comportamento animal dá suporte à ideia de que eles têm consciência?

P. L. – Quando um cachorro está com medo, sentindo dor, ou feliz em ver seu dono, são ativadas em seu cérebro estruturas semelhantes às que são ativadas em humanos quando demonstramos medo, dor e prazer. Um comportamento muito importante é o autorreconhecimento no espelho. Dentre os animais que conseguem fazer isso, além dos seres humanos, estão os golfinhos, chimpanzés, bonobos, cães e uma espécie de pássaro chamada pica-pica.

 

Veja.com – Quais benefícios poderiam surgir a partir do entendimento da consciência em animais?

P. L. – Há um pouco de ironia nisso. Gastamos muito dinheiro tentando encontrar vida inteligente fora do planeta enquanto estamos cercados de inteligência consciente aqui no planeta. Se considerarmos que um polvo — que tem 500 milhões de neurônios (os humanos tem 100 bilhões) — consegue produzir consciência, estamos muito mais próximos de produzir uma consciência sintética do que pensávamos. É muito mais fácil produzir um modelo com 500 milhões de neurônios do que 100 bilhões. Ou seja, fazer esses modelos sintéticos poderá ser mais fácil agora.

 

Veja.com – Qual é a ambição do manifesto?

P. L. – Os neurocientistas se tornaram militantes do movimento sobre o direito dos animais? É uma questão delicada. Nosso papel como cientistas não é dizer o que a sociedade deve fazer, mas tornar público o que enxergamos. A sociedade agora terá uma discussão sobre o que está acontecendo e poderá decidir formular novas leis, realizar mais pesquisas para entender a consciência dos animais ou protegê-los de alguma forma. Nosso papel é reportar os dados.

 

Veja.com – As conclusões do manifesto tiveram algum impacto sobre o seu comportamento?

P. L. – Acho que vou virar vegetariano. É impossível não se sensibilizar com essa nova percepção sobre os animais, em especial sobre sua experiência do sofrimento. Será difícil, adoro queijo.

 

Veja.com – O que pode mudar com o impacto dessa descoberta?

P. L. – Os dados são perturbadores, mas muito importantes. No longo prazo, penso que a sociedade dependerá menos dos animais. Será melhor para todos. Deixe-me dar um exemplo. O mundo gasta 20 bilhões de dólares por ano matando 100 milhões de vertebrados em pesquisas médicas. A probabilidade de um remédio advindo desses estudos ser testado em humanos (apenas teste, pode ser que nem funcione) é de 6%. É uma péssima contabilidade. Um primeiro passo é desenvolver abordagens não invasivas. Não acho ser necessário tirar vidas para estudar a vida. Penso que precisamos apelar para nossa própria engenhosidade e desenvolver melhores tecnologias para respeitar a vida dos animais. Temos que colocar a tecnologia em uma posição em que ela serve nossos ideais, em vez de competir com eles.

Fonte: http://exame.abril.com.br

Desperte suas ideias e ideais


VOCÊ no TOPO! – Entre no MOVIMENTO e aceite o DESAFIO!

DESPERTE para o teu verdadeiro POTENCIAL e vai se surpreender com tudo o que você é capaz de realizar em sua VIDA!

 

Uma pesquisa revela que apenas 2% das pessoas alcançam considerável sucesso e satisfação na vida.
Ao saber disso muitas pessoas ficam preocupadas pensando se vai valer a pena todo o seu trabalho e esforço realmente poderão trazer o tão esperado sucesso e reconhecimento.
Outros vão mais além, querem olhar esse quadro mais de perto, querem saber se existem princípios básicos ou comportamentos em comum, revelando algum tipo de padrão que possa ser aprendido e aplicado por outras pessoas para criarem seu próprio caminho rumo ao topo.

Essas são perguntas muito importantes, especialmente quando vivemos em um mundo onde a grande maioria das pessoas não acreditam em seus sonhos, tem qualquer tipo de planejamento para transformar seus sonhos em projetos viáveis, muito menos estabelecem metas ou qualquer método para acompanhar o seu progresso.

Isso é uma pena, já que é justamente a partir dessa analise que podemos DIFERENCIAR claramente o que realmente está dando os RESULTADO esperados, e quais são as DISTRAÇÕES, que como buracos negros apenas consomem nossa atenção, tempo, energia e entusiasmo.

Se você tem grandes sonhos e acredita que através de um bom planejamento, estabelecimento e acompanhamento adequado das metas, somado a um trabalho inteligente, então tem boas chance de estar entre os que além de sucesso conseguiram conquistar uma vida plena em todos os sentidos.

Eu acordo todos os dias com um desejo ardente de desenvolver o meu potencial ao máximo!
Renovar esse compromisso a cada dia é o DESAFIO que me move! E a CERTEZA que me permite a cada dia vislumbrar um pouco mais do que a vida tem a nos oferecer como COCRIADORES da nossa realidade e do mundo ao nosso redor.

Se você está se identificando com isso, parabéns, pois você faz parte da nova geração que está à frente dessa mudança! Uma nova geração de lideres está se formando, e nós temos um CONVITE e um DESAFIO pra você:

1 – Que tal trabalharmos juntos para chegarmos ao próximo nível?
2 – Vamos nos apoiar mutuamente compartilhando nossos sonhos, ideias e aprendizados?

 

Comesse agora a expor sua ideias e ideais clicando AQUI! … e seja bem vindo ao MOVIMENTO!

 

Fonte: http://in-spiracao.blogspot.com.br/2012/09/voce-no-topo-entre-em-movimento-com-o.html

A História das Coisas


Existe alguma outra necessidade que não seja de alimentar o seu EGO, de você ter o carro do ano, roupa de grife, os utensílios domésticos de ponta, entre tantas outra futilidades, que são implantadas em sua mente para que você se torne um consumista!?

Não são futilidades e você vai trabalhar para compra-los porque esses materiais lhe trarão satisfação pessoal!? Ok, eu compreendo!

Mas me surge uma dúvida: Depois de você ter trabalhado arduamente para conseguir comprar tudo que lhe é exposto massivamente pelas mídias, o que você fará? Comprará mais o que sendo que sua vida poderá já ter passado quase que completamente?

 Trabalhar, comer, comprar, consumir e morrer...

(pausa para reflexão…)

 

Da extração e produção até a venda, consumo e descarte, todos os produtos em nossas vidas afetam comunidades em diversos países, a maior parte delas longe de nossos olhos.

História das Coisas é um documentário de 20 minutos, direto, passo a passo, baseado nos subterrâneos de nossos padrões de consumo.

História das Coisas revela as conexões entre diversos problemas ambientais e sociais, e é um alerta pela urgência em criarmos um mundo mais sustentável e justo.

História das Coisas nos ensina muita coisa, e pode mudar para sempre a forma como vemos os produtos que consumimos em nossas vidas.

 

“Mais é menos e menos é mais…”

2012 – Uma Mensagem de Esperança II


Enviado por Eli Cardoso

%d blogueiros gostam disto: