Arquivos do Blog

A História das Coisas


Existe alguma outra necessidade que não seja de alimentar o seu EGO, de você ter o carro do ano, roupa de grife, os utensílios domésticos de ponta, entre tantas outra futilidades, que são implantadas em sua mente para que você se torne um consumista!?

Não são futilidades e você vai trabalhar para compra-los porque esses materiais lhe trarão satisfação pessoal!? Ok, eu compreendo!

Mas me surge uma dúvida: Depois de você ter trabalhado arduamente para conseguir comprar tudo que lhe é exposto massivamente pelas mídias, o que você fará? Comprará mais o que sendo que sua vida poderá já ter passado quase que completamente?

 Trabalhar, comer, comprar, consumir e morrer...

(pausa para reflexão…)

 

Da extração e produção até a venda, consumo e descarte, todos os produtos em nossas vidas afetam comunidades em diversos países, a maior parte delas longe de nossos olhos.

História das Coisas é um documentário de 20 minutos, direto, passo a passo, baseado nos subterrâneos de nossos padrões de consumo.

História das Coisas revela as conexões entre diversos problemas ambientais e sociais, e é um alerta pela urgência em criarmos um mundo mais sustentável e justo.

História das Coisas nos ensina muita coisa, e pode mudar para sempre a forma como vemos os produtos que consumimos em nossas vidas.

 

“Mais é menos e menos é mais…”

Anúncios

O malabarismo através da história


Há quanto tempo existe o malabarismo? Em uma tumba de um príncipe egípcio existem hieróglifos que mostram um grupo de mulheres fazendo malabarismo de lançamento. Os arqueólogos acreditam que a tumba foi construída entre 1994 e 1781 a.C. Até agora, esta é a mais antiga pintura de malabarismo já encontrada.

egyptian jugglers
A imagem está em domínio público
O trabalho artístico de uma tumba egípcia mostrando um grupo de malabaristas

As artes de Tebas, Grécia, Roma, Índia e Europa mostram malabaristas fazendo truques complexos. Anotações sobre malabaristas vêm desde 400 a.C. Uma antiga menção no Talmud descreve Rabbi Shimon ben Gamaliel, que podia fazer malabarismo com oito tochas de uma vez. Malabaristas também podem ser encontrados na antiga literatura irlandesa e norueguesa.

Na Roma antiga, parece que as pessoas consideravam muito os malabaristas. Um pouco depois, os malabaristas passaram por tempos difíceis. As pessoas começaram a considerá-los artistas imorais e trapaceiros. Anotações comparavam malabaristas com mágicos e bruxas, referindo-se a eles como manipuladores corruptos.

No período medieval, os malabaristas voltaram a ser populares na literatura e na arte. Artistas desenhavam malabaristas lançando um número improvável de tochas ou facas. Os malabaristas também eram cantores e mágicos, porque ser malabarista era o mesmo que ser um artista completo, e muitos deles ganhavam a vida viajando de uma cidadezinha até outra. O conselho de Nuremberg, na Alemanha, empregava um malabarista não apenas como artista, mas também como professor. O malabarismo havia se livrado de sua reputação desonrosa.

A partir do fim de 1700, o malabarismo também se tornou uma apresentação importante nos circos. Muitos palhaços incorporaram o malabarismo em suas apresentações, e as duas formas de entretenimento começaram a se juntar na mente do público. Malabaristas modernos costumam reclamar que o público considera o malabarismo como uma forma de entretenimento de circo.

wc fields
A imagem está em domínio público
W.C. Fields começou sua carreira na indústria

de entretenimento como malabarista

O malabarismo também teve um papel importante no entretenimento dos espetáculos de variedades no fim de 1800 e início de 1900. Um malabarista desses espetáculos, chamado W.C. Fields, mais tarde ficou famoso por seu humor negro e seu comportamento irritadiço em vários filmes. Quando os espetáculos de variedades perderam a popularidade e os circos se tornaram mais raros, os malabaristas começaram a desenvolver seus próprios espetáculos, a se apresentar nas esquinas ou a se tornar matemáticos.

Em 1947, numa convenção do International Brotherhood of Magicians (Grupo Internacional de Mágicos), um grupo de malabaristas decidiu que o mundo precisava de uma organização apenas de malabarismo. Eles fundaram a International Juggling AssociationIJA (Associação Internacional de Malabarismo) e tiveram seu primeiro festival independente em 1948. A partir de 1969, a IJA organizou campeonatos de malabarismo. As competições, depois, incluíram divisões para qualidade da apresentação, quantidade de objetos e apresentações individuais e em grupo. Em 2000, o malabarista Jason Garfield fundou a World Juggling Federation (Federação Mundial de Malabarismo), uma organização com o objetivo de assegurar a cobertura televisiva das competições de malabarismo. Hoje em dia, canais esportivos como o ESPN transmitem as competições de malabarismo para expectadores do mundo inteiro.

Segue vídeo divulgado pela World Juggling Federation, do ultimo campeonato de malabarismo, ocorrido em Springfield. Illinois – E.U.A., no período de 5 a 10 de Julho de 2011.

Malabarismos pelo mundo


A criação deste blog é para unica e exclusiva divulgação da arte de fazer malabarismos e sua mais diversar formas, e os mais variados e inusitados objetos criados e/ou adaptados pelo homem, mas que utilizados como ferramenta de encantamento de atenções de outrem…

 

led @ magnetronic

wallpaperk8-light

 

wallpaperk8-magic

256083_10150233462465854_846510853_7428471_4471349_o

%d blogueiros gostam disto: